Abril 2010

Depois de um dia de sábado bem passado em Vila Praia de Âncora com a família PcA o domingo foi passado em casa a descansar.
Mas ao fim da tarde, a fazer a retrospectiva do encontro e de tudo o que se diz (partilhas preciosas), o chamamento do mar foi ensurdecedor! Telefonei ao Paulo e lá fomos para a praia.
Quando lá chegamos vimos que as condições eram boas. Mar mexido apesar de pequeno, com pouco vento e do quadrante leste que nos favorecia lançamentos e a água boa. O sol ainda ia alto mas a caminhada também ainda era longa…
Lá começamos a caminhada pela praia até ao pesqueiro que já estava identificado e a mulher do Paulo seguiu connosco. Lançamento atrás de lançamento lá íamos recolhendo as nossas amostras enquanto percorríamos os quase 3 km de areia. Ao chegar ao primeiro pesqueiro o Paulo diz que ia ficar por ali porque a mulher já “bufava” a pensar no regresso…
– “Ok, eu ainda vou lá á frente!” respondi eu, “Aquele cabeço parece-me bom!”
Quando cheguei comecei a lançar e as gaivinas, sempre as nossas melhores amigas, mergulhavam num corrupio apressado mais à direita. Num desses mergulhos vejo um rebojo que não era normal numa situação daquelas, a não ser que os nossos amigos se encontrassem por lá…
Dei uma corridinha e comecei a lançar. A amostra voava, voava mas mesmo assim ficava a uns valentes metros do corrupio.
– “Não vou desistir! Mais tarde ou mais cedo as amostras vão chamar à atenção deles…” Pensei eu… E pensei bem!
Quase a chegar à praia sinto um ataque violente à amostra. Ferrei-o e o carreto canta! E que linda música ele cantava… Apercebi-me que era um bom robalo e mais contente fiquei quando ele decidiu fazer umas arrancadas potentes! Temos peixe lutador!!
Depois de umas valentes investidas controladas pelo Twin Power 4000FA e pela Hart Bloody que mais uma vez demonstrou estar à altura de uma bela luta, encalhei o peixe na areia. LINDO!!
Depois de o desferrar, peguei no telefone e liguei ao Paulo:
-“Acabei de tirar um para 3 quilos!” Disse-lhe eu.
-“Eu sabia…” respondeu ele… “Já estou quase a chegar ao carro…”
Foto tirada, foto enviada.
Sabendo que robalos assim não andam sozinhos, voltei à carga!
Mais de umas boas dezenas de lançamentos encontrei o parceiro…
– “Canta carreto, canta!!”
A adrenalina estava a mil!! Depois de trabalhadinho, que nisto da pesca não deve haver pressas, até tremi quando uma onda quebrou mesmo em cima dele… lembrei-me logo dos muitos robalos perdidos quando a onda quebra em cima e a linha fica sem tensão… mas, já tinha que ser meu!!
Robalo para fora, foto tirada e telefono novamente para o Paulo.
“Tirei outro ainda maior!!” Disse eu! “A minha mulher vai para casa e eu vou já para aí outra vez que depois levas-me!” respondeu ele…
Continuo com o rodopio dos lançamentos, mas a maré já tinha virado e as expectativas fugiam com o vazar da maré.
Passado uma hora chega novamente o Paulo, ainda a tempo de desencantar um robalito para 800g e para as fotografias da praxe…
E depois de uma bela pescaria, toca a repor as energias numa bela francesinha e preparar o dia seguinte.
Ontem voltei mas o mar era menos e a água era outra… O peixe… menor. Tirei “apenas” um robalo que pesou 1,250Kg. Não teve foi direito a foto… esqueci-me…
Hoje voltei a dar uma fugida curta, mas o robalo de cerca de 600g teve mais sorte que os outros…
E depois de saber que se prepara novo encontro PcA, já só penso na pesca que virá depois…
Resta dizer que o material utilizado foi:
Cana – Hart Bloddy 10 – 3,00m 15-45g
Carreto – Shimano Twin Power FA
Linha – Multifilamento Tuf Line 20 lb
Terminal – Flúorcarbono Seaguar 0,33

Amostra das capturas – Lucky Craft Flashminnow 130 Aurora Black no primeiro dia e Lucky Craft Flashminnow 130 Gh

ost Sardine

Telmo
Os encontros do PCA revitalizam…

por Telmo Nogueira » 20 abr 2010, 22:15

Depois de um dia de sábado bem passado em Vila Praia de Âncora com a família PcA o domingo foi passado em casa a descansar. Mas ao fim da tarde, a fazer a retrospectiva do encontro e de tudo o que se diz (partilhas preciosas), o chamamento do mar foi ensurdecedor! Telefonei ao Paulo e lá fomos para a praia. Quando lá chegamos vimos que as condições eram boas. Mar mexido apesar de pequeno, com pouco vento e do quadrante leste que nos favorecia lançamentos e a água boa. O sol ainda ia alto mas a caminhada também ainda era longa… Lá começamos a caminhada pela praia até ao pesqueiro que já estava identificado e a mulher do Paulo seguiu connosco. Lançamento atrás de lançamento lá íamos recolhendo as nossas amostras enquanto percorríamos os quase 3 km de areia. Ao chegar ao primeiro pesqueiro o Paulo diz que ia ficar por ali porque a mulher já “bufava” a pensar no regresso…- “Ok, eu ainda vou lá á frente!” respondi eu, “Aquele cabeço parece-me bom!”

Quando cheguei comecei a lançar e as gaivinas, sempre as nossas melhores amigas, mergulhavam num corrupio apressado mais à direita. Num desses mergulhos vejo um rebojo que não era normal numa situação daquelas, a não ser que os nossos amigos se encontrassem por lá…Dei uma corridinha e comecei a lançar. A amostra voava, voava mas mesmo assim ficava a uns valentes metros do corrupio.- “Não vou desistir! Mais tarde ou mais cedo as amostras vão chamar à atenção deles…” Pensei eu… E pensei bem!Quase a chegar à praia sinto um ataque violente à amostra. Ferrei-o e o carreto canta! E que linda música ele cantava… Apercebi-me que era um bom robalo e mais contente fiquei quando ele decidiu fazer umas arrancadas potentes! Temos peixe lutador!! Depois de umas valentes investidas controladas pelo Twin Power 4000FA e pela Hart Bloody que mais uma vez demonstrou estar à altura de uma bela luta, encalhei o peixe na areia. LINDO!!Depois de o desferrar, peguei no telefone e liguei ao Paulo:-“Acabei de tirar um para 3 quilos!” Disse-lhe eu. -“Eu sabia…” respondeu ele… “Já estou quase a chegar ao carro…”Foto tirada, foto enviada.

Sabendo que robalos assim não andam sozinhos, voltei à carga! Mais de umas boas dezenas de lançamentos encontrei o parceiro… – “Canta carreto, canta!!”A adrenalina estava a mil!! Depois de trabalhadinho, que nisto da pesca não deve haver pressas, até tremi quando uma onda quebrou mesmo em cima dele… lembrei-me logo dos muitos robalos perdidos quando a onda quebra em cima e a linha fica sem tensão… mas, já tinha que ser meu!!Robalo para fora, foto tirada e telefono novamente para o Paulo.”Tirei outro ainda maior!!” Disse eu! “A minha mulher vai para casa e eu vou já para aí outra vez que depois levas-me!” respondeu ele…

 telmo nogueira 2 robalos ao spinning

Continuo com o rodopio dos lançamentos, mas a maré já tinha virado e as expectativas fugiam com o vazar da maré.Passado uma hora chega novamente o Paulo, ainda a tempo de desencantar um robalito para 800g e para as fotografias da praxe…

telmo nogueira 2600kg e 3kg

E depois de uma bela pescaria, toca a repor as energias numa bela francesinha e preparar o dia seguinte. Ontem voltei mas o mar era menos e a água era outra… O peixe… menor. Tirei “apenas” um robalo que pesou 1,250Kg. Não teve foi direito a foto… esqueci-me… Hoje voltei a dar uma fugida curta, mas o robalo de cerca de 600g teve mais sorte que os outros… E depois de saber que se prepara novo encontro PcA, já só penso na pesca que virá depois…

Resta dizer que o material utilizado foi:
Cana – Hart Bloddy 10 – 3,00m 15-45g
Carreto – Shimano Twin Power FA
Linha – Multifilamento Tuf Line 20 lb
Terminal – Flúorcarbono Seaguar 0,33
Amostra das capturas – Lucky Craft Flashminnow 130 Aurora Black no primeiro dia

Lucky Craft Flashminnow 130 Ghost Sardine

Telmo

Facebooktwittergoogle_plus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *