Agosto 2014

Robalos de Tróia

por Nuno Ribeiro » 26 ago 2014, 17:56

Desde o passado sábado que estive em Tróia a passar uns dias de férias com a família. Como é óbvio não poderia deixar de levar um caniço para experimentar… depois de ouvidas as opiniões de quem conhece a área lá escolhi o material e a cana, por uma questão de espaço e versatilidade, teve de ser a minha “travel”. A ideia era pescar uns chocos, tentar uns lances a ver se alguma corvina aparecia e em última instância uns mini jigs às cavalas. Ainda assim, nunca perdi a esperança de também dar com uns robalos do Sado… passeantes não faltavam na mala. No sábado chegámos já tarde a Tróia… tempo apenas para um passeio na marina com a família. Domingo, não previa ir pescar… já sabia que ia ser uma enchente de gente. Mas enquanto a família dormia a sesta, eu agarrei e fui dar uma volta a pé para identificar potenciais sítios para pescar. Lá apontei na cabeça 4 locais a bater e meti o despertador para as 5h30 do dia seguinte de forma a apanhar as últimas horas da vazante. Depois já na praia, deu para ver os golfinhos… valeu bem a pena! Logo de manhã, comecei com a ideia dos robalos a bater a área junto aos pontões da marina… passeantes e vinis foram as opções, mas nada se mexeu. O rio corria com muitas algas a flutuar o que dificultava pescar com quase tudo… Continuei para o 2º spot que tinha em mente. Uma praia de areia.

Mal cheguei deparei-me com um espectáculo digno de ser visto… ataques de peixe nos lingueirões com estes a saltar fora de água. Nunca consegui ver qual o peixe que atacava, mas pelos remoinhos deixados não eram cavalas, era peixe maior. Tentei com passeantes, mas as algas não os deixavam trabalhar… ainda assim vi um robalo a perseguir um quase até à margem. Tentei de seguida com slug n´go e com senkos montados num sistema weightless e com o bico dentro da amostra, mas o resultado foi o mesmo. Por muito que não quisesse fui forçado a desistir dos “peixes”. Montei um palhaço e tentei os chocos… o resultado foi o mesmo. Mudei-me para o 3º spot. Um bico em zona de transição entre rocha e areia, com cerca de 10 metros de zona baixa com pedras à milha frente e depois um declive pronunciado para uma zona aí com 10/15m de profundidade e bastante corrente. A maré estava já bastante baixa, razão pela qual optei por um black minnow 140 com cabeçote de 40gr. Estava a pensar que podia ser o spot para dar com alguma corvina perdida… Meia dúzia de lançamentos e na tal zona de declive sinto uma pancada, pensei que fosse pedra, mas assim que mantei uma sticada para tirar o vinil da suposta pedra, ela arrancou a fundo. 4/5 segundos às cabeçadas fortes e a levar linha e largou… “PORRA”!! Ainda há dias fui pescar e deixei fugir dois peixes bons e agora outro… isto já é azar a mais! O vinil veio direitinho o que me leva a crer que nem cravou, apenas estava na boca. Mais alguns lançamentos e mais uma mordiscadela no vinil sem ferrar. Entretanto a maré parou. Decidi ir ao 4º spot com a ideia de voltar mais tarde ao 3º já com a maré a correr.

No tal 4º spot fiz meia dúzia de lançamentos e voltei ao anterior. Não me agradou. Dado estarem umas marés vivas fortes, a maré rapidamente meteu água e quando cheguei ao sítio que queria já tinha muito mais água que quando senti o peixe. Apliquei a mesma fórmula, black minnow 140, mas sem grande esperança… 1º lançamento nada. 2º lançamento, já na zona mais baixa, em cima das pedras e a recolher rápido para evitar bater com as mesmas… Marretada na cana e uma bela arrancada… duvidei se fosse corvina. Mas pouco depois vi-o à superfície e tinha ali um bom robalo. Foi das lutas mais difíceis que tive até hoje… parecia que tinha andado no ginásio. Tinha o drag MUITO fechado (devido ao peso do vinil e à cana ser parabólica queria tê-lo assim para cravar bem) e mesmo assim fez várias arrancadas. Deu uma excelente luta mas por fim deu-se por cansado…

nuno_ribeiro_troia_1

nuno_ribeiro_troia_2

Não tinha balança nem fita métrica… mas a olhómetro tem perto de 3kg. Depois deste peixe não pesquei mais. Já estava a chegar gente à praia e tinha a pesca feita… O vício ficou e hoje tinha de tentar novamente, sabendo que iria ter de ir embora cedo para arrumar e fazer check out no hotel. Fui à mesma hora e bati os spots pela mesma ordem, fazendo o mesmo que no dia anterior… Mas no 2º sítio, a praia de areia, a pescar com um senko de 5 polegadas branco, tive uma surpresa. Estava distraído a coçar uma picada de um mosquito e deixei afundar o senko… senti um esticão e tentei ferrar, mas nada. Deixei afundar novamente e nova pancadinha… esticão e veio um peso. Puxei a pensar que eram ervas mas quando chega à berma, lá vinha isto:

nuno ribeiro choco

Não vinha ferrado e largou-se assim que saiu da água. Foi o meu primeiro choco… Como não via mais nenhuma actividade, mudei logo para uma toneira mas não tive sorte. Fui então para o sítio onde tinha tirado o peixe no dia anterior. Desta vez a maré ainda estava muito cheia, mas a bazar. Montei o mesmo vinil do dia anterior e logo no primeiro lançamento, no declive uma cabeçada e aí já contava que fosse peixe, ferrei e o peixe começou às cabeçadas… dando uma ou outra arrancada. Mais uma vez uma boa luta!! Não sei o que se passa com estes robalos mas parecem vitaminados… nunca na vida vi um robalo deste tamanho a dar tanta luta, e eu a pescar com o drag tão fechado que eu até tinha medo que me partisse a linha! Lá o consegui abeirar e meter cá fora na areia.

nuno_ribeiro_robalo_3

Tinha uma cor espectacular… Era um pouco mais pequeno que o de ontem, mas não muito. Lancei outra vez e o filme repetiu-se. ZZZZZZZZZZZ desta vez o peixe arrancou logo a fundo. Mas volta e meia dava cabeçadas, era robalo com quase toda a certeza. Este era peixe de outro calibre… e nunca veio à superfície, andou ali sempre a tentar cabecear contra as pedras. Tentei forçá-lo a levantar mas não conseguir… o que temia acabou por acontecer, acabei por sentir a linha a tocar na rocha e prender. O peixe acabou por desferrar. Com cuidado fui a pé buscar a amostra à pedra onde tinha prendido e lá trouxe o vinil rasgado.  Por sorte tinha um rabo suplente. Mudei o vinil ainda a tremer, demorei uma eternidade. Voltei a lançar um pouco mais ao lado, já que agora fazia melhor cara aí… e, novamente na rampa, uma mordiscadela mas não ferrou, logo de seguida atacou de novo e veio. Era um peixe mais pequeno… pouco mais de quilo, mas mesmo assim deu uma luta digna para o seu tamanho. Insisti mas nada mais se mexeu. Já tinha uma boa pesca e quando a maré começou a parar arrumei e vim embora. Foram 2 dias excelentes e que me deixaram deliciado com as condições de pesca que encontrei, aqui em Aveiro não encontro pesqueiros com aquelas características!! Espero um dia poder voltar…

O material utilizado:
Cana: Ron Thompson Tyran Travel 270 20-60gr
Carreto: Shimano Rarenium 4000FA
Linha: Power Pro 20lb + Seaguar AbrazX 20lb
Clip: Molix SS snap
Amostras: Senko, Black minnow

Facebooktwittergoogle_plus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *