Animação de Popper e Passeantes

O mais importante nos poppers é que “pope” bem, isto é, que seja bastante ruidoso e quanto mais exagerados forem os “pops” melhor. Devemos escolher os de face ampla e plana que são efectivamente os mais ruidosos. Quando falo em ruído, refiro-me não só ao sentido real da palavra, como ao “splash” e bolhas de ar que a amostra cria na água quando trabalhada.

poppers

Estas amostras geralmente possuem bolas de metal no seu interior, que para além de lhes darem peso facilitando os lançamentos, produzem ruídos que fazem despertar o interesse ou o incómodo dos predadores, motivando assim os ataques.

lucky craft sammy tracejado sistema transferencia de pesos

lucky craft sammy aurorablack

Comparando a utilização destas amostras num rio ou barragem de águas calmas e silenciosas, com a sua utilização no mar, com barulho das ondas, do refluir do mar, do vento, depressa chegamos à conclusão de que se a nossa amostra quer atrair um peixe lá do fundo, tem mesmo que ser ruidosa.

Trabalhar bem estas amostras requer alguma prática nos movimentos ritmados do pulso e da ponteira da cana. Há duas formas típicas de o fazer, o “twitching” e o “walking the dog – WTD”.

A primeira técnica tanto para Poppers como para Passeantes consiste em, com a ponteira da cana em baixo e em direcção aos nossos pés, aplicar 3 ou 4 toque rápidos em recuperação seguidos de paragem, de forma a fazer com que a amostra baixe e levante a cabeça fazendo o tal “splash”, criando bolhas de ar e levantando salpicos de água.

amostra superficie exemplo 1

A segunda técnica, talvez a mais popular e eficaz, o Walking The Dog consiste em fazer com que a amostra efectue um movimento em zig zag com rápidos movimentos do pulso da esquerda para a direita – da direita para a esquerda, sempre na direcção do pescador. e seguidos de pequenas paragens. Estas paragens são de extrema importância, pois é no arranque de nova série de movimentos que geralmente o peixe ataca a amostra.

amostra superficie exemplo 2

Os Passeantes devido aos seus movimentos erráticos e ondulantes na superfície, permitem uma adaptação da técnica Walking The Dog com movimentos laterais mais amplos, espaçados e ondulantes.

amostra superficie exemplo 3

Esta técnica é geralmente de alta eficácia na captura do Robalo.

amostra superficie captura

Quem se inicia nesta técnica ou já iniciados mas que nunca tenham utilizado poppers e passeantes, deverá ir para um local de águas paradas e limpas, sem vento (um rio, uma barragem ou açude, até uma piscina), e praticar aí para poder ver com perfeição a atitude da amostra em função dos movimentos que lhe são imprimidos.

No mar e nas condições em que geralmente se pesca, muita espuma, muita agitação, ondas, vento, e até de noite, é virtualmente impossível ver a amostra a trabalhar e portanto quem não souber na perfeição o que está a fazer, sem ver, só por mero acaso apanhará um peixe.

osp yamato colorsQuanto ás cores a utilizar… e elas existem às dezenas ou centenas se contarmos com as cambiantes, segue-se o principio de há muito aceite: águas claras, céu limpo requerem amostras claras. Águas tapadas, céu nublado ou de noite requer amostras escuras. Também se soubermos o que o peixe anda a comer naquele local, poderemos dar-lhe a amostra que mais se assemelhe à sua presa real.

Boas Pescas

robalos

Luís Vicêncio

Facebooktwittergoogle_plus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *