Fevereiro 2017

Recompensa pela insistência
por Bruno Martins» 26 fev 2017, 23:26

Caros camaradas,

Combinei com o meu amigo Paulo Martins para irmos visitar um dos nossos locais habituais embora na verdade vos diga, quer ele quer eu não estávamos com confiança nenhuma para lá irmos. Isto porque tem sido penoso, mais até para mim, carregar algumas grades como nos últimos tempos. Ou não sai nada ou então o que sai é mais do mesmo, juvenis para serem libertados de seguida embora também tenha perdido um bom peixe ao içar o mesmo a partir de um paredão (agora ando inclinado também para esta vertente tendo até adquirido uma cana especifica para içar mas o peixe estrebuchou e caiu, nada a fazer, foi à vida dele para grande galo meu…).

Bom, à hora combinada no local estava apenas o Paulo, atrasei-me 10 minutos e esses foram os minutos suficientes para o Paulo cobrar um belo peixe de 4 kilos logo ao segundo lançamento. Bons motivos para elevar a confiança! Chegado ao local o Paulo faz-me sinal que tinha já um no saco o que fazia ficar com boas expectativas para o resto da pescaria.

O mar apresentava-se bom, ondulação dentro do metro e pouco, mexido e com boa cor de água propicia para a zagaia e com vento quase inexistente (unico factor na pesca que me desagrada quando presente). Pois continuamos cerca de mais 2 horas sem qualquer sucesso, a maré tinha já virado à cerca de hora e meia e não “entrava” qualquer exemplar em zagaia, vinil ou amostra. Alternamos caneiros mas não havia sinal deles.

Perto das 10h abandonamos o local, o Paulo tinha a pesca feita e diz-me que está terminado para ele. Não satisfeito com a minha grade, digo ao Paulo que vou tentar a minha sorte noutro pesqueiro mais a norte. Chegado ao local, já com sol a pique e meia maré, monto uma zagaia. Este é um pesqueiro com caracteristicas bem próprias, ou seja, o leque para lançamento não é assim tão amplo e facilmente percebemos se há presença de peixe ou não. Depois de lançar durante 10 minutos, sinto a pancada forte e percebo que tenho um bom peixe. Com a meia maré que tinha pela frente percebi que conseguia tirar o peixe num plano mais perto da água, debateu-se bem, forçou bastante e lutou como um bravo, ainda tirou uns metros de linha mas foi vencido por uma morethan que é excelente a cobrar peixe. Encalhei-o e meti-lhe o grip, coloquei-o a seco já num plano superior. Estava exausto, foi valente sem dúvida!!

Continuei a pescar e a pensar que o peixe ia entrar, alternei entre amostras e zagaias mas se há fenómeno curioso aqui por Gaia, é que depois de tirar o primeiro peixe, mais de 80% das vezes não tiras um segundo exemplar, ainda ando para perceber isso à anos mas nos últimos anos é teoria comprovada por quem aqui pesca. Como dizemos por aqui… era um cardume de 1!! A frase ficou já célebre.

E pronto, a insistência levou-me a poder comer robalo ao jantar depois de comprovar que no bucho tinha uma enorme navalheira.

Pesou 6,400kg
Amostra: Zagaia artesanal + raglou 14cm verde

Facebooktwittergoogle_plus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *