Janeiro 2011

Um peixe perdido num local provável

por Sérgio Ferreira » 21 jan 2011, 01:30

O spinning assim como muitos outros desportos, envolve muita dedicação e tempo gasto até que os resultados comecem a surgir.

O sucesso não é mais que um corolário de vários factores que em determinadas ocasiões se conjugam. Os fracassos são importantíssimos pois constituem etapas de um processo de aprendizagem, que se vai consolidando.Com alguma experiência adquirida, teremos um dia uma maior rapidez de resposta e de análise das condições encontradas, que vão permitir reduzir de certa forma as jornadas sem capturas.

Ontem, desloquei-me a um dos meus locais favoritos, para praticar surfspinning aos robalos. As previsões apontavam para um mar de tamanho certo e condições atmosféricas agradáveis, o que dava algum optimismo. À chegada, tudo estava de acordo com o previsto e apenas me interrogava sobre a presença ou não dos peixes. Montado o conjunto (shimano speedmaster 20-50+daiwa luvias 3000+linha power pro 0,15 mm+baixo de linha seaguar+ duo tide minnow 175 sardinha), encaminho-me para a água.

Tento analisar a zona, eliminando assim áreas à partida improváveis. A decisão foi tomada e caminho para o local escolhido, onde iria insistir… Passados alguns lançamentos, o peixe esbarra energicamente na amostra, bloqueando-a no seu nadar frenético. Pouco a pouco aproxima-se e consigo vislumbrar o seu vulto na água branca. Peixe pequeno, pensei. Pela resistência calculei que o robalo viesse ferrado de lado, exercendo maior resistência. Após vários arranques seguidos de regresso aos meus pés, o peixe finalmente ficou em seco, mostrando ser um exemplar de pequenas dimensões (2,5kg).

sergio ferreira robalo

Voltei a lançar para o spot escolhido, sabendo que as condições se mantinham propícias. Os minutos passavam e nada de sinal dos peixes. Escolhi novo local, mas em vão. Numa das mudanças de zona encontrei um pescador de fundo que me confirmou a ausência de peixe num ano atípico.

Voltei a insistir já com o sol quase no horizonte, mas apesar das condições, os robalos não se encontravam na zona. Decidi então desmontar o material e voltar para casa. Independentemente de com o passar do tempo irmos ganhando um sexto sentido que nos ajuda a localizar os peixes, continuo convicto que as pescarias memoráveis acabam muitas vezes por acontecer nos momentos mais improváveis. É exactamente isto que nos faz gostar de pescar com amostras: a surpresa e o carácter imprevisível dos peixes/ das jornadas.

**A foto é sofrível mas o possível através da função automática.

Sérgio Ferreira

Facebooktwittergoogle_plus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *