Junho 2013

Pesquisando

por João Mota » 10 Jun 2013, 00:48

Boa noite rapaziada! Fez uma semana hoje que tinha chegado ao fim o fim de semana diabólico das trutas…uma semana inteirinha só a dar cabo dos costados sentado na cadeira a ver as pescarias dos outros e a congeminar novos planos infalíveis para apanhar salmões na Madeira…se houvesse claro…

Ontem estava à noite numa dessas sessões conspiratórias, entre a indecisão de mudar de pagina na net ou ir beber um café nocturno quando me pisca uma mensagem do Paulo Teixeira, compincha das lide truteiras e grande acompanhante no de-briefing pós-faina mais conhecido por “dois cafés e duas ponchas sff!!”. Tínhamos ficado de fazer uma prospecção num ribeiro local para saber até que sitio daria o mesmo para ser pescado, não imaginava ontem que esse dia fosse hoje. Aliado a uma certa falta de vontade geral tinha em mente ficar na cama mais tempo para por os sonos em dia e pedi para aguardar resposta, passados 2 segundos disse que sim e perguntei a que horas saíamos.

Combinada a hora e plano de acção pus-me a fazer ninfas, havia prometido após a ultima saída que numa próxima oportunidade só iria utilizar ninfas e para poder comparar resultados. O ribeiro corre sempre com algum força e precisava de algumas mais pesadas para aguentar o caudal e ficarem pescáveis mais tempo, como não tenho fio de chumbo para lastro e ainda me faltam as cabeças de tungsténio tive de fazer umas Pheasant Tail “à la Frank Sawyer” com fio de cobre e cauda de faisão, mesmo old school, e inventar ainda outra…pensava conseguir fazer umas três mas excedi-me, consegui fazer quatro e ainda inventar um cruzamento de Pheasant Tail dita normal com a antiga e sem umas coisas…estava uma beleza!

Hoje lá nos encontramos e seguimos viagem após um reconfortante café matinal, moral em alta e fomos pondo a conversa em dia até chegar ao local, onde nos aguardava uma manha húmida mas com boas perspectivas de trutas.

A caminho com eles e decidimos não começar logo a pescar, mas subir paralelamente ao ribeiro até onde tínhamos acabado a pesca da ultima vez e a partir daí continuar pelo ribeiro já a pescar até onde desse. Um caminho onde o ganhar vida ganha um significado diferente e parece termos entrado num reino alheio à realidade… Chegados ao sitio determinado começamos a faina! Sempre com ninfas e a prospeccionar cada recanto em busca das maiores se houvessem. E as capturas não tardaram muito tempo, ora um ora outro iam-se sucedendo a bom ritmo.

joao_mota_truta6

joao mota truta5

joao mota truta4

joao mota truta3

E assim conseguimos chegar até a uma parte do ribeiro onde já não era mais possível continuar, dois monólitos enormes vindos lá bem no alto fizeram uma barreira natural apenas transponível por escalada com cordas…estava a pesquisa feita e a partir deste ponto só para trás. Efectuamos mais uns lançamentos e comemos a “bucha”…já passava das 14h. Voltamos para tras em passo de cruzeiro e pelo caminho ainda tiramos mais algumas, mas não valia a pena estar a massacrar o pesqueiro, que nalguns buracos estava assim…conseguem contar as pequenotas?

joao mota truta2

Pelo caminho ainda caí duas vezes no meio do ribeiro, o pescador tem de ser benzido e se tiver de ser a dobrar, então que seja felizmente a máquina ia comigo e não houve provas comprometedoras…eheheheh. Chegados ao fim do curso de agua tempo para mais um lançamento e apanhar uma última, bem gordinha por sinal  Carro com eles e siga para de-briefing…do qual não tenho reportagem fotográfica…

joao mota truta1

Com esta pesquisa efectuada penso que se torna óbvio para mim que em termos de qualidade de capturas se consegue melhor com ninfas, pois consegue-se chegar a todos os buraquinhos com elas, mas não tem um décimo da espectacularidade do lançamento com secas e os ataques que se presencia à superficie…em todo o caso a repetir. Fico também muito agradado por desta vez só ter utilizado plumas “minhas” e com bons resultados! De salientar também a quantidade de peixe que por ali anda, desde alevins até trutas de 10/15cm. Espero que ninguém se lembre de destruir o que ali existe e tenho a certeza que daqui a um par de anos sairão bons peixes naquela zona.

O material foi o do costume, Redington Tempt #3, e carreto Drift #3/4, ninfas acima descritas.

Até uma próxima caros companheiros!

Ficha Técnica:
Cana: Redington Tempt #3
Carreto: carreto Drift #3/4
Amostra: Ninfas
Pescador: João Mota

P.S….Caros confrades, boa viagem para amanhã e boa pescaria!

Facebooktwittergoogle_plus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *