Maio 2010

Á segunda a primeira

por Miguel Carrilho » 20 mai 2010, 12:51

Boas, há uns dias, quando este calor começou a aparecer estava eu a acabar o dia de trabalho e ocorreu-me que era um bom dia para ir fazer uma pesca. Ligo ao pessoal a ver quem podia dar uma escapadela de improviso depois do jantar. Um disse que talvez conseguisse, mas ainda estava no trabalho, outro estava longe de Lisboa, mas se chegasse a tempo ainda vinha, e outro disse que já tinha o material pronto e que daí a pouco ía sair “então janto e vou lá ter contigo”, disse eu.

Lá fui então ter com o Pedro, que continuava com as suas prospecções no local onde tinha tirado a última burra. Para mim era um local novo, e portanto ia descontraído, sem expectativas, nem altas nem baixas. Tenho a consciência que é necessário muito tempo e muitas idas e voltas a um mesmo local até se ganhar o “pulso” ao mesmo, e portanto as primeiras visitas são como que de olhos fechados, ainda mais era de noite.

Quando chegamos estava algum vento, mas nada que nos estragasse a noite. Começamos os lançamentos. O Pedro com a SJR e eu com a cana de Casting – cada vez gosto mais deste conjunto, agora o curado levava Power Pro de 15lb (estou à espera do de 20lb), e eu estava um pouco reticente no que respeita aos lançamentos e cabeleiras, mas correu bem, com lançamentos mais longos e maior sensibilidade a sentir o fundo e os toques.

Eu tinha ainda uns vinis novos para usar (novos para mim), uns Slug Go. Coloco então um branco de 7 1/2”, bem grandinho e gordo. Devem funcionar muito bem com pouco peso, e mesmo em weightless porque já são pesadinhos. No entanto a corrente era forte e coloquei-lhe um chumbo de 30gr, mais um anzol 5/0 e toca de fazer lançamentos. Ao fim de pouco tempo a primeira boa surpresa. Um bom robalo que mandou umas cabeçadas valentes e ofereceu uma boa luta.

miguel pedro corvinas robalos 5

Nice, hoje a pesca já correu bem! Grade não há!

Após umas fotos, e uma pausa voltámos aos nossos lugares e prosseguimos. Entretanto o Pedro engata um. Percebeu logo que se tratava de um cachaço. Estava a pescar com o mesmo vinil com que engatou a corvina, o Berkley power bait com o cabeçote mágico articulado. Mais umas fotos, e como era jovem foi libertado rapidamente.

miguel pedro corvinas robalos 4

Entretanto a corrente foi diminuindo conforme o tempo passava, e pensei que o vinilão com as 30gr já não tivesse um trabalhar decente. Andava constantemente às cabeçadas ao fundo. Decidi trocar de cana e colocar uma amostra mais leve. Tinha levado além do conjunto de casting a minha Illicium Team 240. Como o que lá andava eram robalos esta cana servia para o efeito, e então encostei a de casting (mais rija e menos sensível para vinis mais leves).

O Pedro, ao ver a caninha de casting ali atrás de nós no chão vira-se e diz “Miguel, posso fazer uns lançamentos?” – “claro, dá-lhe”. E deu-lhe! Deu-lhe de tal maneira que após meia dúzia de lançamentos ferrou a mula! Ferrou, e começou a trabalhá-la com calma e mestria, mas com convicção (quem sabe, sabe, e mais nada). Eu larguei logo a minha cana e fui para junto dele com o grip. Estava a controlar muito bem, e a cana estava ainda cheia de reserva, apesar das corridas. Algum esforço e uns bons minutos passados e o peixe já se começava a ver. Logo que consegui cheguei-lhe o grip e pronto, já cá estava! Tinha cerca de 12,5kg.

miguel pedro corvinas robalos 3

A relação que o Pedro tem com as Corvinas dá gosto ver! São os seus animais de estimação!

Isto estava mesmo bom! Mais umas fotos e vamos fazer mais uns lançamentos para acabar. O Pedro vira-se e diz “eu não, tenho os braços rebentados” e sentou-se. Então continuei com a Illicium. Tinha colocado um Rolling Xad branco com cabeçote de 15gr (gosto mesmo desta amostra da Xorus). Mais um bocado e também ferro uma! “Olha olha, tenho uma, e é corvina”. Era mais pequena, mas pelas corridas eu percebi logo que era uma! Deu várias corridas, e uma ou outra cabeçada. Chegou a encostar ao fundo, mas como não era grande consegui lidar com ela com mais facilidade (não toquei no drag do meu Stradic). Lá a pusemos a seco, e tive então a oportunidade de pegar na minha primeira Corvina. São animais muito bonitos! Tirámos mais umas fotos rapidamente, para a pudermos devolver em condições. Estava cansada, mas quando a largámos na água após uns segundos deu à cauda e rumou ao fundo. E eu admirei!

miguel pedro corvinas robalos 1

Agora estou satisfeito!

Material
Pedro:
– GLoomis SJR783 c/ TP 4000
– Quantum KVDC666MHB c/ Curado 201E7
Miguel:
– Quantum KVDC666MHB c/ Curado 201E7
– Illicium Team 240 c/ Stradic 4000FC

Abraço

Facebooktwittergoogle_plus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *