Outubro 2013

A Odisseia: A Besta acordou! – Acto 3 Final

por Cláudio Morais » 19 Out 2013, 22:18

Uma noite atrás de outra faz estragos e quando não se consegue dormir muito tempo, piora a situação. Ainda mais esgotados da ultima noite, com as maos todas arranhadas e cortadas dos peixes e rochas, a moral estava alta, mas o corpo estava em baixo. Uma ponderação bem longa e demorada, decidiu que seria a última vez que lá iria, com a condição de apenas trazer os mais valentes e graúdos. Dei a conhecer a minha decisão ao João e mais uma vez não foi preciso muito para irmos fazer a derradeira noitada. A caminho, o João revela-me que um “desaparecido” iria se juntar a nós, alguém que já não pescava há mais de um ano e estava a “ressacar”! Refiro-me ao Rui Almada, esse grande maluco que andou desaparecido do mundo da pesca virtual e real, parece agora estar a endireitar a vidinha e juntou-se a nós na ultima investida. Depois de um café com direito a uma cena no mínimo caricata, seguimos para o pesqueiro.

Chegamos e não demorou muito para chegar o último elemento, o Jorge Lopes, que eu tinha desafiado umas horas antes para ir e este não se negou ao “chamamento”. Com a minha Hiro Magister “encostada” por causa do passador, tive que recorrer à minha primeira cana de spinning mas nem por isso menos boa, uma Alpha Tackles Marauder. O material da noite anterior ficou ainda mais reduzido, levando apenas umas 6 ou 7amostras e deixando o resto em casa. Não havia necessidade de irmos carregados quando sabíamos como lhes chegar. Já a chegar ao nosso sitio, constatamos que a maré ainda não permitia uma travessia segura para o pouso, pelo que esperamos alguns minutos até baixar a maré. Já com a maré aceitável, decidimos dividir-nos em 2 grupos onde eu e o João cedemos o “nosso” lugar, explicamos como fazer a travessia e ainda tiveram direito a visita guiada! Isto sim, é a prata da casa. Eu e o João rumamos para outra zona e mais uma vez, não demorou muito para darmos com eles, ao 3ºlançamento já o João tinha um robalote devolvido e eu demorei um pouco mais mas compensou por ser bem jeitoso.

robalo

Em menos quantidade e de tamanho inferior, iam saindo alguns robalos e sendo devolvidos à água os que não tinham cerca de 45cm (a olho), mas nada que se compare à noite anterior, a noite estava mais calma… Calma demais, até eu conseguir ferrar um bom peixe, peixe esse que me pôs o Twinpower a cantar e a cana bem dobrada como nunca tinha visto. Quando pensei ter a luta controlada, apesar de ainda estar mais afastado, veio a pior sensação que se pode ter na pesca, o folgar da linha e a fuga do peixe… Quando recolhi, completamente lixado da vida, pude constatar algo que nunca me tinha acontecido e que posteriormente me deixou a pensar… O anel do meio onde se segura a argola estava todo torcido e a fateixa bem aberta!!

amostra

Tentei endireitar a fateixa com o alicate, voltei a fazer alguns lançamentos mas a amostra que mais me deu peixe na vida estava destinada a não terminar a Odisseia comigo. A minha “matadora” ficaria para sempre desaparecida logo depois de ficar presa em algo que desconfio ser um aparelho ilegal ou lixo(corda)…. Curiosamente depois de a perder e mudar para outras, deixei de sentir peixe. Coincidência? Nunca saberei, apenas posso deduzir. O João entretanto lembrou-se de que nunca tinha apanhado nenhum peixe com vinil e estava na hora. Coloca um Black Minnow 120 Azul e começa a lançar para a direita, sem ter grande sucesso imediato. Até que decide mudar para a esquerda e logo nos primeiros lançamentos dá com um robalo atrevido, estava feita a estreia! Os robalos estavam agora cada vez mais escassos e decidimos ir ver como estava a correr a noite com os outros 2 colegas.

Já tinham safado a noite também, com alguns peixes tirados, outros tantos bons perdidos e um arranque que levou tudo! Com as novidades contadas, voltamo-nos novamente para a pesca. Eu fico no meu rochedo habitual, o João vai para outra atrás de mim. Mais uma vez, o leiteiro nos primeiros lançamentos apanha 2 peixes e depois acalma. O Rui juntou-se a ele e aqui começa a diversão… Estava eu de costas e vejo uma luz a acender atrás de mim, olho e vejo os 2 muito nervosos e linhas enroladas. Não dei importância, achei que fosse apenas uma linha enrolada. Mas a movimentação e nervosismo continuava, não é normal…

Vim a saber depois o que se passou nesses instantes. Ao fazerem os últimos lançamentos por causa da subida da maré, o João prende um valente robalão e para não estorvar o Rui recolhe a amostra. Ao recolher a amostra dá umas 3 ou 4 voltas ao fio e…..
Resumidamente:
Tentaram desenrolar o fio andando à volta, não conseguiram.
Tentaram cortar o fio, não chegavam à tesoura na bolsa.
Conseguem cortar o fio, a amostra ia para o bolso mas ficou presa no casaco!
O resto do fio enrolado fica preso na ponteira e era preciso tirar à mão.
Finalmente conseguem tirar o fio, deitar a mão ao peixe e….

rui almada pescado

“AAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH” foi o grito que quebrou a noite, um valente prateado estava na mão do Rui!

robalo joao black minnow

robalos pescaria

pescadores_cinco_estrelas

joao baltazar rui almada

Abismado e pasmado, o Rui não conseguia se conter de felicidade e sentia-se nas nuvens com aquela experiência e logo após 1 ano sem pescar…. “Vocês acordaram a besta! Agora não há volta a dar!!”

Pescadores: Cláudio Morais – João Baltazar
Canas: Alpha Tackles Marauder Heavy XH 3m – Daiwa Infeet 2,82m
Carretos: SHimano Twin Power 4000 – Daiwa Luvias 3012H
Fio: Sufix 832 0,23mm – Sufix 832 0,20mm
Baixo: Duel Powercarbono 0,37mm – Gorilla UC4 0,45mm

Amostras: Shimano Silent Assassin 160F – Ochiayu e Green Back – Fiiish Black Minnow Azul

Facebooktwittergoogle_plus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *