Setembro 2012

Luta por recordes

por André Machado » 20 set 2012, 00:37

Companheiros, depois de seguramente mais de um ano e meio sem postar um unico relato de pescarias no mar (até porque estive sem pescar “nele” perto de um ano), eis-me de volta e, claro, por bons motivos. Desde Julho para cá tenho tirado alguns peixes mas sem grande significado (alguns até pouco maiores que a amostra eram) e nunca me entusiasmei a relatar por aqui como foi. Pois bem, acho que desta vez, vale a pena descrever o que se passou. Depois de na véspera ter carregado uma bela grade, a insistência do meu companheiro e amigo Tozé (grades neste dia não as carregou ele) em voltar no dia seguinte, à mesma hora, não foi colhida com grande entusiasmo pela minha parte, até porque tinha um compromisso que não podia faltar, que entretanto foi desmarcado. Pronto, fiquei sem argumentos..

Bom o que interessa é que lá fomos, encontrando outro companheiro de lides que já pesca com o Tozé há algum tempo, tal como combinado. 19:30/20:00h – Começamos numa zona mais espraiada do pesqueiro até que o radical Tozé decide ir para uma rocha grande que já entrava bem dentro do mar para lançar mais longe. Nada. Não ficamos muito tempo. Estávamos com a ideia de um certo local que tinha sido proveitoso no dia anterior (esta parte já vai ser ele a postar) No entanto a maré ainda estava com muita água para lá irmos e fomos passando o tempo lançando aqui e acolá mas os três sem grande fé, creio. Já noite dentro e com as condições já como queríamos o Tozé e o outro amigaço lá treparam para a pedra que queriam. Um bocado esguia e dificil (para mim) e eu mantive-me ao lado, entrando pelo mar a dentro tentando evitar ao máximo as laminárias em grande numero. Lá estivemos um bocado e nada. Entretanto, depois de ficar com a amostra presa nas laminarias algumas vezes decidi ir para ao pé deles mas no lado esquerdo da dita pedra, pois já devia ser possível pescar lá em segurança. Estava eu a ver qual a melhor opção para passar para a esquerda quando o Tozé me grita “anda ajudar que está aqui um”. Mas quem foi lá foi o Tozé coma sua habitual prontidão. Era o nosso amigo com o primeiro da noite. Um bom peixe que deveria rondar os 3 kilos. Ai estão eles pensámos os três.

A pesca continuou mas deles não mais sinal. Já no local onde queria estar, tento lançar a Savage Gear Sandeel o mais longe possível e perto de uma pedra que ia surgindo na água. Os lançamentos não iam saindo como queria pois dava-me a sensação que estavam a sair curtos. Num deles pensei, este sim, saiu bem. Comecei a recuperar, sinto o vinil a roçar num pedra e a seguir começar a deslizar na água. Nem três segundos depois sinto um peso na linha e….PEIXE!!!. Ai estava o primeiro da noite para mim…”ei…caneco….que força” ….zzzzzzzzzzzzzzzzzzzz….era PEIXE mesmo, GRANDE senti no imediato.  Tinha ferrado bem longe e estava a levar linha. Tinha o drag bem fechado e durante uns segundos não consegui recolher. Gritei, claro, para os meus companheiros que não ligaram muito mas apercebendo-se de que era bom peixe voltaram as atenções para mim e para o Robalo. A pouco e pouco ele foi abrandando a corrida mas trazê-lo para cá estava a ser muito difícil. O mar não estava com grandes ondas e por isso não me ajudava, mas também não me iria prejudicar numa hipotética escoa. Passado uns minutos (não sei quantos) ele já estava mais perto mas começou a ir para a minha direita na direcção da pedra “deles” pelo que tive que inclinar a cana para trazê-lo para mim. Consegui. Saltei da pedra, estava já ali perto, apanhei o grip mas ele ainda não tinha deixado de lutar. Era ele e eu com os companheiros a darem dicas do alto da Pedra. Por momentos encostou-se à parte lateral da pedra onde eu tinha estado e quase roçou o multi no mexilhão. O Tozé gritou logo, “olha a pedra” Dei dois passos no meio de água, pedras e mexilhão e, meio desequilibrado, coloquei-lhe o Grip!!! JÁ ESTÁ!!! Grande peixe tinha pescado. Era certamente recorde!!

Andei com ele na mão uns minutos, qual criança com brinquedo novo, sem saber muito bem o que lhe fazer. Lá me acalmei e voltei ás lides. Com esta luta toda,o meu carreto ficou a ressentir-se do esforço feito e estava muito perto. Bem, dava para ir recolhendo, com muita dificuldade mas dava. Passado uns minutos,e já bem perto de mim sinto outro. Bem mais pequeno. Digo: “tenho outro” e o Tozé: “estás a falar a sério?!” (ele estava ainda à grade) sim, é bem mais pequeno e, com mais dificuldade do que seria de esperar, pois o carreto estava como estava, lá o tirei da água. Com este Robalo o vinil tinha ficado danificado e tinha que trocar de amostra. Coloquei a mesma amostra na cor azul e fiquei mais uns minutos no mesmo sitio, mas nada. Entretanto eles já tinham saído da pedra e tinham ido para outra mais dentro onde….apanharam uns belos banhos. Estava a ficar na hora de ir embora, a maré já estava a subir e não havia sinal de peixe. Até então tinham saído três Robalos. E o Tozé à grade. “Acontece amigo” terei dito eu. “Ainda ontem me tocou a mim”.

No caminho de regresso o Tozé, cheio de fé diz: ” Vou ali a um sitio tirar um. E lá foi ele indo eu atrás dele com as lanternas a iluminarem o rebordo de um caneiro que era feito de pedra, mexilhões, laminárias e areia, muita areia para o que é normal. Estou eu a colocar a rede com os Robalos apanhados, num sitio onde as ondas não os levassem e o meu amigo, grita ” Tenho um, tenho um”. Lanternas ligadas para tentar ver o peixe mas sem incidir muito na agua e la vamos nós. O Tozé diz:, “pah o gajo tá a tentar ir para as laminárias, não o posso deixar ir para lá. Com rapidez, para o peixe que era, o Tozé põe-no perto e diz “apanha-o”. Tentei mas não consegui colocar-lhe o grip pois com uma golpada ele fugiu uns 2 ou 3 metros para a água. Mas estava bem ferrado, não deveria fugir e não fugiu mesmo. À segunda meti-lhe mesmo o grip e já está….que GRANDE robalo. Ainda maior que o meu disse-lhe. RECORDE gritou o Tozé !!!! E logo ao segundo lançamento. A satisfação estava estampada na cara dos dois! Um “High Five” entre os dois terminava uma bela jornada de pesca com dois recordes pessoais batidos e aquela satisfação que vocês bem conhecem. O Tozé dizia: “Isto é PCA, pesca à PCA! Este dia, este relato, vai para lá direitinho.  Foi, sem dúvida, uma luta por recordes…

Andre Machado robalo

Andre Machado robalos

Ficha técnica:
Cana: Shimano SpeedMaster 3,00m 20-50g
Carreto: Shimano Stradic 4000FB
Multi: Berkley Whiplash Cristal 0,08
Terminal: Seaguar FXR 0,285mm
Amostra: Savage Gear Sandeel 12,5cm cor Sandeel
Peixes: Robalos de 46cm com 1,2kg e 76cm com 4,7kg (recorde pessoal)
Pescador: André Machado

Toze_Matos_robalo

Ficha técnica:

Cana: Hart Bloody Lite 10
Carreto: Shimano TwinPower 5000FB
Multi: SpiderWire 0,20mm
Terminal: Awa-Shima ion 0,45mm
Amostra: Savage Gear Sandeel 12,5cm cor Tequila Sunrise
Peixes: Robalo com 5,7kg (recorde pessoal)
Pescador: Tozé Matos

PS- Desculpem a fraca qualidade das fotos mas naquela escuridão só com telemóveis é difícil melhor.

Um abraço

Facebooktwittergoogle_plus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *