Setembro 2018

Rasgos na superfície!

por Cláudio Morais » 01 set 2018, 15:35

Ah, o Verão…. Bom tempo, sol imenso, um calor que não se aguenta. Podia ser a descrição perfeita para este Verão, só que não é!

O tempo tem estado instável, ora chove, ora faz calor. Se estamos mesmo num clima tropical… Só faltam os peixes tropicais! 

Falando de pesca, tem havido algumas investidas, mas sem grande sucesso. Algas e mais algas, redes e cordas dos covos… E tudo aliado à falta de conhecimento dos locais onde pousar os pés para fazer uns lances! Mas nem tudo são coisas negativas, senão nem faria os relatos que se seguem! 

A primeira investida foi feita na companhia de um amigo de já longa data. Chegámos ainda de noite, para poder dar os bons dias aos nossos amigos robalos.

Estavam tímidos, foi preciso virem os primeiros raios de luz para acordarem. Levei uma boa pancada e ficou logo ferrado!  

Não era um peixe muito grande, mas era lutador. Fui o felizardo que tirou o primeiro do dia.

Peixe libertado e siga a pesca que eles andam aí…!

Estava visto que não ia ficar por ali, pois passados uns 15mins e já noutra zona (por causa da descida da maré) cruzei-me com outro bom robalo! 

Ferrado mais longe e com mais água, bateu-se bem mas acabou por não assustar.

Apenas veio para a foto e voltou logo para a água, ainda não era o que eu procurava…

O tempo foi passando, apenas eu tinha sentido e tirado peixe. De cada vez que passava perto de uma laminária e a cana dobrava, o meu amigo quase que se atirava à água em desespero, pensando que eu já tinha outro ferrado,

Estava com o tempo contado por ser dia de trabalho, mas ainda tinha alguns minutos antes de terminar a investida. Achei que estava na hora de pôr um passeante a trabalhar.

Primeiro lance, passo ao largo de uma rocha submersa e mal a amostra fica por cima do fundão na frente dessa mesma rocha, um splash à superfície! Robalo ferrado!!! Foi uma luta curta e seca, não havia grande margem para trabalhar o peixe e tinha que ser cirurgico, tal como mandam as regras! 

Já tinha apanhado uma baila, mas não vivenciei o ataque. Já tinha tido um ataque, mas não ficou bem ferrado. Agora, finalmente, tive o pacote completo!

Este sim, já tinha bom tamanho e acabou por ficar retido. Estava mais que contente, valeu bem a pena acordar cedo! 

Depois desta captura, ainda fiz mais uns 10 lançamentos mas estava feita a minha pesca, era hora de regressar. O meu amigo ainda continuou mais uns minutos e contou-me depois que acabou por safar a grade com um pequenote também com passeante, foi pena eu não ter estado nesse momento…

——————————————-

Algum tempo passou com (para não variar) grades e frustrações pelo meio, quando me deparei com previsões interessantes para fazer o amanhecer. O plano de ataque consistiu em fazer uns lances ainda sem luz e, mal surgissem os primeiros raios de luz, apostar fortemente no passeante.

A primeira abordagem não deu frutos (neste caso peixe), foram várias a amostras a ir para a água sem qualquer ataque. Mas quando começou a amanhecer… 

Ao segundo ou terceiro lance, vejo uma bolha esbranquiçada por baixo do passeante, mas não ferrou. Um ataque…. 

Lanço para a mesma zona e foi quase fotocópia, mas, desta vez, ficou bem ferrado! Mais um bom robalo capturado com passeante, está a correr bem! 

Daí para a frente, foi um desespero. 

Passados alguns minutos, outro ataque, novamente falhado. 

Lanço mais para o lado, vejo um peixe agulha a sair disparado da água. Não percebi se tinha sido intencional (ataque) ou se se assustou (ataque de pânico), mas achei graça ao pequeno marlin. 

O tempo ia passando e os ataques falhados sucediam-se! Houve um que chegou a estar quase(!!) ferrado mas apenas senti bater levemente e foi à vida dele…. 

Tive 6 ataques ao passeante, apenas 1 ficou bem ferrado!! O peixe andava lá, o pescador é que não teve unhas para os tirar todos…. 

Acabei a pescaria com uma captura e novamente a correr para o trabalho. O resto do dia passou rápido, mas sempre com a cabeça no que tinha acontecido de manhã. Tinha que lá voltar…!

Assim foi e, no dia seguinte, precisamente à hora dos ataques do dia anterior, lá foi o teimoso. Mas voltou a confirmar-se a velha máxima de pescador: “não há dois dias de pesca iguais”.

Dito e feito, nem um ataque ou toque tive. 

Fiquei com o vício no corpo, a pesca à superfície é uma droga potente e perigosa… 

———————————————-
Cana: Daiwa Infeet Seabass 2,82m
Carreto: Shimano Twinpower 4000
Fio: Sufix 832 0,18mm
Baixo: Gorilla UC4 0,45mm
Amostras:
– Xorus Patchinko II 140 Ghost Lançon

Facebooktwittergoogle_plus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *